Utilizamos cookies próprios e de terceiros para coletar informação estatística do uso de nosso site e lhe mostrar publicidade relacionada com suas preferências mediante a análise de seus hábitos de navegação. Se continuar navegando, consideramos que aceita o uso dos cookies. Você pode mudar a configuração ou obter mais informações aqui.
Fechar
PlanetadeLivros
Armando Seixas Ferreira

Armando Seixas Ferreira

ARMANDO SEIXAS FERREIRA, nasceu no Barreiro a 16 de maio de 1973. Integra desde 2015 a equipa do Linha da Frente, o programa de grande reportagem da RTP1.

Licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade Autónoma de Lisboa, em 1996.

Frequentou um curso de língua Árabe na Faculdade de Letras em 2011.

Estudou História da Arte e concluiu uma Pós-Graduação em Mercado da Arte e Colecionismo na Universidade Nova de Lisboa em 2018.

Entre 1993 e 1996 trabalhou no Jornal do Barreiro. Entre 1995 e 1998 integrou a redação do jornal Público na secção Local. Em televisão começa por trabalhar, em 1998, na redação do Telejornal, onde se especializa na área da Defesa, Política e Sociedade. Em 2003 é enviado especial à guerra do Iraque, a bordo do porta-aviões americano Theodore Roosevelt e a Nassíria junto do contingente português.

Assinou várias reportagens na Bósnia, Kosovo, Líbano, Timor, Indonésia, Colômbia e Afeganistão. Colaborou com a estação de televisão árabe Aljazeera. Em 2006 venceu o Prémio Nacional de Paridade de Jornalismo com a grande reportagem Mulheres à Prova de Bala, que retrata a vida das paraquedistas portuguesas no Kosovo.

1821 O Regresso do Rei
Compre

1821 O Regresso do Rei

Armando Seixas Ferreira

Um relato empolgante sobre a viagem de regresso do rei D. João VI a Portugal.

Compre
Sinopse de 1821 O Regresso do Rei

A 26 de abril de 1821, uma esquadra de 12 navios chefiada pela nau D. João VI partia do Rio de Janeiro, com três a quatro mil pessoas a bordo, rumo a Portugal. Era o regresso do monarca a Lisboa depois de quase 14 anos de ausência no Brasil. Partia em lágrimas, ali vivera os dias mais felizes da sua vida. Para trás deixava o filho D. Pedro dizendo: «Antevejo que o Brasil não tardará a separar-se de Portugal. Neste caso, antes quero que tomes a coroa para ti do que vê-la passar da Casa de Bragança para as mãos de algum aventureiro.»

Se a dramática partida da corte para o Brasil em 1807 é amplamente conhecida, pouco sabemos sobre esta viagem de regresso. O jornalista Armando Seixas Ferreira consultou diários de bordo, documentos da época e fontes inéditas, para nos trazer um relato empolgante sobre a vida da corte em terras de Vera Cruz, esta viagem náutica de 68 dias, e traçar um retrato de todo este período épico da nossa História que culmina com a Independência do Brasil, em 1822.

A 3 de julho de 1821, D. João VI chega finalmente a Lisboa. Visivelmente emocionado, vestido de gala, é recebido com entusiasmo e aplausos pelo povo e pelos deputados que lhe oferecem um exemplar da Constituição. Portugal tinha mudado, no horizonte aproximava-se a guerra civil e D. João VI não voltaria a encontrar a paz e tranquilidade que sentiu no Brasil.

A 26 de abril de 1821, uma esquadra de 12 navios chefiada pela nau D. João VI partia do Rio de Janeiro, com três a quatro mil pessoas a bordo, rumo a Portugal. Era o regresso do monarca a Lisboa depois de quase 14 anos de ausência no Brasil. Partia em lágrimas, ali vivera os dias mais felizes da sua vida. Para trás deixava o filho D. Pedro dizendo: «Antevejo que o Brasil não tardará a separar-se de Portugal. Neste caso, antes quero que tomes a coroa para ti do que vê-la passar da Casa de Bragança para as mãos de algum aventureiro.»

Se a dramática partida da corte para o Brasil em 1807 é amplamente conhecida, pouco sabemos sobre esta viagem de regresso. O jornalista Armando Seixas Ferreira consultou diários de bordo, documentos da época e fontes inéditas, para nos trazer um relato empolgante sobre a vida da corte em terras de Vera Cruz, esta viagem náutica de 68 dias, e traçar um retrato de todo este período épico da nossa História que culmina com a Independência do Brasil, em 1822.

A 3 de julho de 1821, D. João VI chega finalmente a Lisboa. Visivelmente emocionado, vestido de gala, é recebido com entusiasmo e aplausos pelo povo e pelos deputados que lhe oferecem um exemplar da Constituição. Portugal tinha mudado, no horizonte aproximava-se a guerra civil e D. João VI não voltaria a encontrar a paz e tranquilidade que sentiu no Brasil.

Livros de Armando Seixas Ferreira

Bibliografia de Armando Seixas Ferreira

Carregando...